Os melhores livros sobre publicidade, segundo Washington Olivetto

por

Ao ver sua agência completar 15 anos de existência, Washington Olivetto resolveu divulgar uma lista com o que, segundo ele, são os 10 melhores livros já escritos sobre publicidade. Das publicações indicadas, metade foi escrita por jornalistas. A outra metade, por publicitários. Nove dos livros, infelizmente, ainda não têm tradução para o português. Segundo a assessoria de imprensa da W/Brasil, a explicação é simples: apesar do Brasil se destacar no cenário internacional da publicidade, tanto o mercado editorial quanto o próprio mercado publicitário dos países de língua inglesa são muito superiores ao brasileiro. De todo modo, esta não deixa de ser uma oportunidade para você aprimorar o seu inglês e ainda aprender mais um pouco com quem realmente entende do assunto. Confira os títulos:

Confissões de um publicitário, David Ogilvy (NTC Publishing Group, 1994)
A história da fascinante carreira de David Ogilvy em publicidade, contada por ele mesmo. Seu início, na Inglaterra, copiando a publicidade que era feita nos EUA e apresentando-a para os clientes como se fosse original; sua brilhante e curta carreira de chef de cozinha em Paris; sua amizade com Alfred Hitchcock; seu trabalho no Gallup; a fundação da Ogilvy nos EUA; suas definições, seus conceitos e seus princípios. Ogilvy, que escreveu seu primeiro anúncio famoso para a Rolls Royce, acabou se transformando no Rolls Royce dos publicitários. E isso o livro deixa claro por quê.

Under the radar, Jonathan Bond e Richard Kirshenbaum (John Wiley & Sons, 1998)
O livro sobre publicidade favorito de Valerie Salembier, Publisher da revista Esquire; de Jack Trout, autor de clássicos sobre posicionamento e estratégia de negócios; de Roger Ailes, chairman da Fox Nes; de Robert F. Kennedy Jr e de muitos publicitários do primeiro time.

Disruption, Jean Marie Dru (John Wiley & Sons, 1996)
A França não se notabiliza por produzir grande publicidade nem grandes publicitários. Mas, curiosamente, são franceses os publicitários que escreveram alguns dos bons livros sobre o tema. Jacques Seguela escreveu o famoso “Não conte pra minha mãe que eu trabalho em publicidade porque ela pensa que eu sou pianista de um bordel”, que poderia estar perfeitamente nesta lista. Mas a opção foi pelo Disruption, por ser mais recente e exaltar o assumir riscos, acreditar na intuição e rejeitar o convencional.

100 best TV commercials and why they worked, Bernice Kanner (Crown, 1999)
Trabalho sério de pesquisa que envolveu profissionais do mundo inteiro e chegou à seleção dos 100 melhores comerciais de todos os tempos. Mostra o porquê e como eles foram criados e produzidos e que efeitos geraram. As histórias são completas, as ilustrações perfeitas e o livro, mesmo sendo didático, consegue ser divertido. Na lista dos 100 melhores de todos os tempos, dois comerciais brasileiros: Primeiro Sutiã (Valisère) e Hitler (Folha de S.Paulo).

Bill Bernbach’s book, Bob Levenson (Villard Book NY, 1987)
A criação de Bill Bernbach mudou a história da publicidade. No livro, uma coleção de clássicos da Volkswagen, Avis, Chivas Regal, Móbil, Porsche, etc. que conseguem encantar e surpreender até hoje o mais exigente dos leitores e o mais criterioso dos publicitários.

Inventing Desire, Karen Stabiner (S & S NY, 1993)
Boa parte da fascinante e turbulenta história da Chiat/Day, agência sensação no mercado americano a partir dos anos 80, responsável pelo sucesso de marcas como Apple, Nike e Energizer. Primeira agência a se preocupar com as relações entre arquitetura e trabalho, tendo inclusive construído sua sede em Venice, Califórnia. Mas também uma agência com muitos conflitos internos e com os clientes, sendo alguns desses conflitos responsáveis por momentos antológicos na história da publicidade, como a festa oferecida por Jay Chiat no restaurante Spago, em Los Angeles, para comemorar a perda da conta da Apple.

George, be careful!, George Lois (Saturday Review Press, 1972)
George Lois, filho de um humilde florista grego, emigrou para New York e tornou-se um ícone da direção de arte em todo o mundo. São antológicas suas capas para a revista Esquire, nos anos 60, que geraram o livro George Lois, The Esquire Era. George, be careful! traz histórias divertidíssimas, extremamente humanas e algumas até arrepiantes, como a do dia em que ele quase jogou um contato da agência do 20º andar de um edifício da Madison Avenue só porque o tal contato não tinha conseguido aprovar o layout.

Against gravity, Ed McCabe (Warner Books, 1991)
McCabe começou em publicidade como office-boy aos 15 anos de idade e acabou se transformando no mais jovem redator a entrar para a Copywriter`s Hall of Fame. Montou uma agência, a Scali, McCabe, Sloves, também muito jovem, ficou muito rico, virou muso inspirador do filme Arthur, o milionário sedutor, cansou da publicidade, vendeu a agência, trocou de mulher e foi fazer o rali Paris/Dakar, o mais perigoso do mundo. Nesse livro, ele descreve sua aventura de vida, com um texto primoroso, no qual fatos absolutamente verdadeiros são muito mais instigantes do que a melhor das ficções.

Creative Company, Andy Law (John Wiley & Sons, 1999)
Livro da moda sobre publicidade no ano 2000. Relata a tentativa de um grupo de profissionais em fazer uma agência absolutamente diferenciada: a St. Luke`s. Algumas propostas novas, ou aparentemente novas, de trabalho e casos de sucesso, como a construção da marca Body Shop, fazem parte do livro. Mas o mais interessante, na verdade, é a descrição da estrutura da agência, uma espécie de cooperativa de criação, e a história do seu surgimento.

Saatchi & Saatchi: the inside story, Alison Fendley (Arcade Publishing, 1996)
O livro narra a história dos irmãos Charles e Maurice Saatchi e aborda fatos desde o nascimento da agência: a extrema criatividade, seu crescimento graças às ligações com Margaret Thatcher, a ambição desmedida, o gigantesco sucesso que virou fracasso, a recuperação, o rompimento e a fundação da nova e atual agência dos dois, a M&C Saatchi. Um livro interessante e honesto, da competente correspondente de mídia do London Evening Standard.

Para pesquisar o preço desses livros em sites americanos, você pode começar por aqui.

Com informações da Revista Vencer.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: